Conheça os rins

Conhecendo os rins

Os rins localizam-se na parte posterior do abdome, um de cada lado da coluna vertebral. Eles têm o tamanho aproximado de uma mão fechada e a aparência que lembra um grão de feijão.

 

Os rins são conhecidos pela função de “filtrar” o sangue, mas o que isso significa de fato?

Você sabia que a quantidade de água corporal deve ser mantida relativamente constante para o bom funcionamento do organismo? Já parou para pensar que o seu corpo está constantemente executando reações químicas e que, para isso, é necessário que o sangue se mantenha em uma determinada faixa de pH? E que os eletrólitos como sódio, potássio, cálcio e outros devem ser também mantidos em um determinado valor? Já parou para ponderar que, sem todo esse controle, você pode ir a óbito? Adivinha qual órgão controla todos estes parâmetros? Pois é, o rim. Ele não é apenas um “produtor de urina” e a sua função de “filtrar” o sangue é muito mais complexa do que parece. Os rins são essenciais para a sobrevivência do ser humano, por isso dedicamos este texto a ele.

 

Água

Como a quantidade de água que entra no organismo por meio de ingestão de líquidos e alimentos varia consideravelmente, deve haver controle também da saída para que o equilíbrio se mantenha. Nós perdemos água pela pele, pela respiração, pelo suor, até pelas fezes, porém, em caso de excesso de água no corpo, são os rins que eliminam o excedente, por meio da urina.

A quantidade média de urina por dia que produzimos é de 1,5 a 2,5 litros, com variações entre os indivíduos. Para se ter uma ideia da eficiência dos rins no controle hídrico do organismo, a quantidade diária de urina produzida pode variar de 500mL, em uma pessoa desidratada, até 20 litros, em um indivíduo ingerindo grande quantidade de líquidos.

 

Sódio

A mesma coisa acontece com a quantidade de sódio (presente no sal de cozinha). Há pessoas que consomem pouco sódio e pessoas que consomem muito. Cabe aos rins manter o equilíbrio desse sal no organismo.

Se você está com excesso de sódio no sangue, quando este sangue chega ao rim, o órgão “percebe” o excesso e retira uma parte, encaminhando-a para ser eliminada na urina. Ao contrário, se você está com pouco sódio no sangue, o rim reabsorve esse íon, impedindo-o de ser eliminado na urina. 

Em termos práticos, nosso organismo pode perder sódio quando há diarreia ou vômito, por exemplo, ou então quando há uso excessivo de medicamento diurético. A queda, especialmente se rápida, da quantidade de sódio no sangue pode causar edema cerebral, com sintomas de dor de cabeça, desorientação, convulsões, coma, podendo chegar a lesão cerebral permanente e morte.

 

Outros

Além de controlar a água e os íons, os rins eliminam as substâncias tóxicas do organismo, como as resultantes do metabolismo (ureia, creatinina, ácido úrico) ou da ingestão de medicamentos, drogas e aditivos alimentícios.

Os rins ainda impedem a eliminação pela urina de substâncias úteis ao corpo, como proteínas, açúcares e aminoácidos.

 

A urina

O sangue chega ao rim e é “separado”: uma parte retorna à corrente sanguínea e outra entra nos túbulos renais para ser eliminada em forma de urina.

A urina é o líquido resultante de todos esses processos de “filtração” que os rins fizeram no sangue. Ela segue pelos os ureteres até a bexiga, responsável por seu armazenamento.

 

 

Ureteres, bexiga urinária e uretra

Os ureteres são ductos que conduzem a urina dos rins até a bexiga. Quando o ureter é obstruído por um cálculo renal, por exemplo, há dor intensa, fazendo que o indivíduo busque o pronto atendimento rapidamente.

A bexiga é um órgão oco que armazena a urina produzida pelos rins. O percurso da urina então é: rins ureteres bexiga uretra

A uretra é o último ducto, presente no pênis e na vagina, responsável pela eliminação definitiva da urina para o meio externo.

 

Insuficiência renal – Quando o rim está doente

Entendendo melhor as funções dos rins, não fica difícil compreender que “rins doentes” geram: alterações na pressão arterial, inchaço, acúmulo de substâncias tóxicas, presença de sangue e/ou proteínas na urina, desequilíbrio hidreletrolítico, desequilíbrio ácido-básico.

Insuficiência renal, como o nome já diz, é o estágio em que o rim encontra-se “insuficiente”. Houve perda considerável da função renal devido a alguma doença que “machucou” estes órgãos. Sabe quais as doenças mais comuns que causam insuficiência renal crônica? Hipertensão arterial (“pressão alta”) e diabetes mellitus.

  [ Leitura sugerida: https://jandaiadosul.ufpr.br/diabetes-mellitus/ ]

Se a insuficiência renal for grave, o indivíduo deverá ser submetido a hemodiálise ou a transplante renal, caso contrário, irá a óbito.

 

Hemodiálise

É um procedimento realizado em indivíduos com insuficiência renal grave, ou seja, quando os rins praticamente não funcionam mais. O sangue é levado, por meio de um circuito tubular, até uma máquina onde há um filtro e depois de volta ao corpo. Esse sistema substitui parcialmente as funções renais, a ponto de permitir a sobrevivência das pessoas que não tem estes órgãos funcionando adequadamente.

 

Autoria: Tayná

Junho/2021

Fontes:

MOORE, K. L.; DALLEY, A. F.; AGUR, A. M. R. Anatomia orientada para a clínica – 6a edição

GUYTON, A. C.; HALL, J. E. Tratado de fisiologia médica – 12a edição

Sociedade Brasileira de Nefrologia, disponível em: <https://www.sbn.org.br>

Imagens disponíveis em:

<https://hubrasilia.com.br/index.php/campanha-alerta-amarelo-calculo-renal-pedra-nos-rins/>

<https://www.flaticon.com/free-icon/water_684626?term=water&page=1&position=6&page=1&position=6&related_id=684626&origin=search>

<https://pixabay.com/pt/photos/sal-saleiro-o-sal-de-mesa-3285024/>

<https://pixabay.com/pt/photos/bruxelas-manneken-pis-estátua-1818803/>

<http://www.institutoendovascular.com.br/doencas-vasculares/fistula-para-hemodialise/>